Código Florestal Brasileiro
Clique aqui e veja o Impacto da exigência retroativa de recomposição de APP’s
Utilidade Pública Federal
Informações para obtenção de título de declaração de utilidade pública federal.
Código Florestal Brasileiro
Redação aprovada pela Câmara dos Deputados em 25-4-2012
Por Santa Catarina
R$ 43 milhões para o desenvolvimento de SC
HOME
CURRÍCULO
PROJETOS DE LEI
ATUAÇÃO
NOTÍCIAS
DEBATE
DESTAQUES
FOTOS
VÍDEOS
AGENDA
LINKS
ENDEREÇOS
CADASTRE-SE
CONTATO
 
 
Você é a favor do horário de verão?

Sim

Não

 
 
 
 
Erros e acertos do novo Código Florestal Brasileiro
Compartilhar


Embora falte ainda a regulamentação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) já temos a nova lei do Código Florestal Brasileiro, número 12.651/2012. Lei que está em plena vigência e que deverá ser respeitada para todos os encaminhamentos que envolvam licenças ambientais, atos cartorários, questões florestais e demais atos de regularizações ambientais.

A nova lei revogou o antigo Código Florestal (Lei 4771/1965) e outros dispositivos legais, recuperando alguns pontos mantidos, como por exemplo as Áreas de Preservação Permanentes (APPS) em áreas não consolidadas que poderão ser utilizadas para atividades econômicas, urbanas e rurais, ainda não antropizadas que continuarão com obrigatoriedade de manter a mata ciliar de 30 a 500 metros , conforme a largura do rio.

As mudanças principais da nova legislação florestal ocorreram para áreas consolidadas em APPs e RL, definindo novas normativas para propriedades com exploração agrosilvopastoris, turismo rural e ecológico.

Também possibilitará criar o Cadastro Ambiental Rural, o Plano de Regularização Ambiental e os Serviços Ambientais através do CRA-Cota de Reserva Ambiental. O CAR será declaratório e deverá ser feito de todas as propriedades rurais com prazo de um ano a partir de implantação da nova Lei.

O Cadastro Ambiental Rural será na forma de croqui simples para os pequenos proprietários com até 4 módulos fiscais e com mapa de ocupação territorial e georreferenciamento para imóveis acima de 4 módulos, por propriedade ou matricula. O cadastro será encaminhado por meio eletrônico, nas prefeituras ou órgãos ambientais. Com isso o produtor estará legalizado até receber instruções do que fazer através do PRA determinado pela assinatura de termo de compromisso de cada imóvel.

Após o proprietário entregar o CAR aguardará as recomendações do PRA para a regularização ambiental na propriedade de acordo com as determinações do novo Código Florestal. O órgão ambiental competente terá o prazo de um ano, prorrogável por mais um para discussão e assinatura do termo de compromisso, definindo prazo ao proprietário para providenciar as exigências ambientais determinadas em cada propriedade, identificada individualmente por cada matrícula do registro de imóveis.

As mudanças para a RL em áreas consolidadas inicia-se com a eliminação da exigência da averbação da reserva legal, para qualquer propriedade, que será substituída pelo CAR. Portanto, a averbação de reserva legal acabou. Para imóveis com menos de 4 módulos fiscais a manutenção da floresta existente será a RL em qualquer percentual abaixo de 20% no Sul do Brasil, 35% no Cerrado e 80% na Amazônia Legal.

A reposição ou compensação da RL, no mesmo bioma, será obrigatória para todos os imóveis acima de 4 módulos fiscais que não tenham 80% na Amazônia Legal, 35% no Cerrado e 20% no restante do pais. O prazo para reposição será de 20 anos, ou seja, 1/10 avos a cada 2 anos.

Também poderá compensar com a compra ou aluguel de Cota de Reserva Ambiental-CRA ou compra de áreas públicas em parques não-indenizados.

As propriedades em APPs consolidadas até 22/7/2008, embora sem respeitar as peculiaridades locais e critérios técnicos com o veto da presidenta Dilma e a publicação da medida provisória 571, criou a exigência de matas ciliares em qualquer curso de água, vertentes perenes, olho de água , veredas, lagos naturais e artificiais, com a famosa escadinha em vigor, que só será alterada se derrubados os vetos pelo Congresso Nacional .

A escadinha, imposta pela MP 571, para qualquer curso de água por propriedade ou matrícula terá de mata ciliar: até 1 módulo fiscal 5 metros, 1 até 2 módulos fiscais 8 metros, 2 até 4 módulos fiscais 15 metros, acima de 4 módulos fiscais 20 a 100 metros conforme definição do PRA. Estas medidas impostas pela MP da presidenta Dilma só observou o tamanho da propriedade, um erro que inviabilizará muitos imóveis por não ter qualquer embasamento técnico e não levar em conta a largura do rio e as características da propriedade.

As florestas nativas em pé poderão ter um valor real com a criação dos serviços ambientais, alugando-as para compensação ou transformando através de CRA-Cotas de reserva ambiental negociadas na bolsa de valores, na forma de aluguel ou vendas para quem necessita recompor sua RL, ou seja, imóveis acima de 4 módulos fiscais com RL abaixo dos percentuais exigidos para cada região do país. Cada CRA corresponderá a 1 hectare de floresta nativa preservada e a compensação só será válida para o mesmo bioma. As cotas terão validade mínima de 15 anos.

Ainda resta a regulamentação do CAR e do PRA para o início definitivo da implantação do novo Código Florestal. Há que se orientar tecnicamente os agricultores para ao mesmo tempo, solucionar a questão ambiental e fundiária com georreferenciamento com novas normas, menos burocráticas, levando segurança jurídica aos proprietários e evitando erros e prejuízos futuros.

Na implantação do Código Florestal se evidenciarão os erros e os acertos da nova lei, e situações que serão impossíveis de aplicá-las por inviabilizar a propriedade. Veremos muito de expropriação, uma ilegalidade constitucional, que precisará ser corrigida com a modificação da legislação.

Certamente equívocos serão muitos por não terem respeitado as peculiaridades de cada área, região e bioma, aprovados pelo Congresso Nacional e vetado pela presidenta Dilma Roussef.

São muitas as dúvidas. Afinal o novo Código Florestal foi bom ou não? Não se discute se houve avanços, mas também que será um enorme ônus para a já complicada vida do agricultor. O produtor de alimentos e gerador de riqueza e economia necessitará de apoio do poder público e da sociedade, pois será ele quem pagará a conta da implantação do maior programa ambiental e de reflorestamento do planeta as suas custas, responsabilidade essa que seria de toda a sociedade.

Terão os órgãos públicos enormes entraves burocráticos, de pessoal e estrutura, para atender a demanda da regularização ambiental e fundiária de 5,2 milhões de imóveis com tão pouco prazo para executá-lo. Terão os proprietários custos enormes com georreferenciamento, burocracia, custos cartorários, materiais para cercas de isolamento das águas para a produção pecuária, a falta de mudas de árvores nativas para reflorestamento e a viabilização de palanques, uma vez que não poderão ser extraídos da própria propriedade.

Há que se ressaltar o tratamento diferenciado para imóveis abaixo de 4 módulos fiscais e acima de 4 módulos fiscais, por propriedade, ou seja por matrícula de cada imóvel, uma vez que o critério da presidenta Dilma para exigência de mata ciliar em APP e RL limitou-se apenas a levar em conta o tamanho da propriedade.

Para áreas acima de 4 módulos fiscais poderá se somar as áreas de florestas em APP para o cumprimento do percentual de exigência da RL, desde que não haja novo desmatamento na propriedade.

Por Valdir Colatto, Engenheiro Agrônomo e Deputado Federal

 
OPINIÃO DO AUTOR
Que façamos cada um a nossa parte em benefício da sustentabilidade do planeta e do ecossistema, sem procurar culpados. Afinal, cada um é responsável pelo seu meio ambiente, inclusive os fumantes!
Comentário
 

 Nenhum comentário para este Destaque!

 
DEIXE SEU COMENTÁRIO PARA ESTE DESTAQUE
(*) - Todos os campos são de preenchimento obrigatório.
Erros e acertos do novo Código Florestal Brasileiro
Seu Nome*:
Seu E-mail*:
(o email não será publicado)
Cidade*:
Estado*:
Comentário*:
  500 caracteres restantes.
Eu li e aceito as regras de publicação de comentários. VER REGRAS
Chave de Segurança*:
97932

VEJA TAMBÉM - ÚLTIMOS DESTAQUES PUBLICADOS
14/11/2013 - Carta do Zé agricultor para Luis da cidade
Artigo escrito por Luciano Pizzatto * Luis, Quanto tempo. Sou o Zé, seu colega de ginásio, que chegava sempre atrasado, pois a Kombi que pegava no ponto perto do sítio atrasava um pouco. Lembra,...
03/06/2013 - Conflitos indígenas no país
Assista o comentário do jornalista Alexandre Garcia sobre as demarcações de terras indígenas no país. http://migre.me/eRwWs
27/03/2013 - 'Brasil parece um país masoquista', afirma Alexandre Garcia
Os problemas na infraestrutura de portos e estradas são um empecilho para a produção brasileira. Uma estrutura deficiente só aumenta os custos e o Brasil perde em competitividade. Assista o...
06/11/2012 - Carta de um injustiçado - leia o texto e tire suas conclusões!
Aposentado de 81 anos é desalojado pelo Código Florestal (1 de novembro, 2012, publicado no site Fonte: site Novo Código Florestal www.codigoflorestal.com e site Instituo Plinio Corrêa de...
16/05/2012 - O povo se manifesta - ofício à Presidente da República
Consolidação Código Florestal Mais de 1.000.000 de casas estão ameaçadas de serem derrubadas pelo novo Código Florestal; casas construídas com o suor de brasileiros...
15/05/2012 - Código Florestal Brasileiro
Redação aprovada pela Câmara dos Deputados em 25-4-2012
27/04/2012 - Averbação de Reserva Legal (ARL)
“Código Florestal Brasileiro: Deputado Colatto fala sobre Averbação de Reserva Legal (ARL) após aprovação do texto na Câmara”.
 
© - Ideia Good - Soluções para Internet